fbpx

As experências que nos ensinam

Poradriana

As experências que nos ensinam

Bom, eu não gosto de dizer isso (porque ser humano é foda), mas eu sou bem rodada! Huahuuha

“Que isso, Dri, tá maluca?”

Não, mano… eu sou rodada mesmo… já trabalhei em consultoria e cada dia estou falando com um cliente diferente… tenho alunos que trabalham em negócios diferentes e consequentemente escuto tudo que é tipo de história… o que me enriquece muito e me permite tornar as minhas aulas ainda mais interessantes….

Se liga, eu vou contar uma história real aqui, mas sem citar nenhum nome (não seria nada ético da minha parte, certo?… eu tenho que ser tipo psicóloga… escuto tudo, tento fazer algo, mas nunca vou contar pra ninguém… fico apenas com o contexto da história para ajudar outras pessoas… como uma orientação, manja?). Então para não existir quebra de confiança, nunca nennhum nome será citado, a não ser o que for permitido!

Enfim, chega de blá blá blá… o que queria compartilhar com vocês foi uma experiência mega frustrada de implementação de modelo.

Uma empresa super grande fazia seus modelos com todo capricho e cuidados necessários… até que a moda chegou à tona e TCHARAAAAM (música alta em nossos ouvidos)… criaram uma área de Data Science, o famoso LAB Data, ou Data LAB, contrataram uma galera e começaram a executar.

“Que animal, Dri, qual problema nisso?”

Nenhum… é demais mesmo, mas o problema foi a falta de comunicação! Essa galera começou a trabalhar como se fosse o Kaggle (manja aquele site de desafios na ciência de dados?) e não se importou em entender as variáveis… saiu tacando-lhe pau e fez um algorítmo que competia com o mesmo que a galera anterior já fazia… e o que aconteceu? Eles tiveram resultados muito melhores!

“Caraca, Dri, do que você está reclamando, então?”

Vou continuar contando… Sim, fizeram um modelo que APARENTEMENTE era MUITO melhor pela métrica de comparação KS. E a empresa, super tarada por melhores resultados, viu que aquele encremento de melhoria no KS, geraria melhores retornos financeiros e nem questionou.. “vamos trocar essa porcaria anterior pelo novo dos caras novos, que chegaram aqui há 1 mês e já fazem melhor que o povo de anos…”.

Modelo foi pra rua… e como era um modelo com foco em retenção, levou 1 mês para medirem o resultado… e TCHARAAAAM (música alta, bem mais alta agora, em nossos ouvidos)… o que aconteceu?

MERDAAAAA… O MAMUTE VIROU MERDAAAA!!! (já viu esse vídeo? Hauahuahuahua – quer aprender a voar com quem?)

Triste né?

“Mas por quêêê?”

Podemos notar alguns pontos:

– Falta de interação com negócio

– Falta de entendimento dos dados disponíveis

– Variáveis vazadas (aquelas que já contém a informação da resposta!)

– Falta de teste de performance

– Falta de controle da estabilidade do modelo (pelo que me contaram, o modelo mudava drasticamente de performance no decorrrer dos meses…)

– Ansiedade

– Pressa

– Orgulho

Então, precisa de mais?

Caraca, não dá pra fazer milagre! O mais importante sempre é ser consistente!

Pense nisso…

Beeijos,

Dri

Sobre o autor

adriana administrator

    Deixe uma resposta