fbpx

Arquivo de tag obras

Poradriana

O mundo dos cimentos e a estatística

Hoje foi um dia que cuidei de mim… descansei e fiquei aqui trabalhando pro meu querido e sonhado sonho!

Há muitos anos estava eu em um curso mega foda que fiz e o professor me perguntou, na frente de todos, meio que de surpresa: “Qual sua missão na terra?”

E, nem eu esperava isso, respondi de imediato sem gaguejar ou pensar: “Mostrar pro mundo que estatística é vida, é fácil e super útil”.

Ele aproveitou minha resposta para continuar a aula e eu fiquei bem reflexiva… “caraca, nunca tinha pensado nisso e saiu tão espontâneo…”. Não foi uma novidade para mim, mas naquele momento realmente notei que tenho que contribuir para o mundo, utilizando meu propósito como estímulo. Foi nele que sempre me apoiei para produzir.

Para mim é uma delicia falar, até ficaria dias aqui escrevendo, mas não é essa a proposta desse post.

O que queria dizer é que eu amo tanto meu trabalho, que respiro isso todo o tempo, sem parar… onde quer que eu esteja.

Não sei se você já viu bastante coisa sobre mim, mas eu sou careca! Huahuahua Não careca, careca, mas sim, eu sou quase careca! (confusa, né? Careca e dramática, eu diria). Se você reparar em meus vídeos mais antigos, notará que meu cabelo mudou para os vídeos mais atuais (além do shape também… outro dia posso até postar sobre isso…). Mudou por quê?

Porque eu coloquei uma PERUCA! Huauhauha no linguajar da galera do mercado, eu coloquei Mega Hair. Fiz isso com uma galera mega expert no tema.

Ajustando a peruca…

Eu estava tão triste por ter pouquíssimo cabelo, que fui até ao Rio de Janeiro atrás desses caras para poder colocar minha lindíssima peruca! Eu só fui, porque eles haviam me dito que abririam um salão aqui em São Paulo… então as manutenções poderiam ser feitas em SP.

E foi isso que eles fizeram! Cumpriram a promessa e abriram um salão aqui em SP, na real lá em AplhaVille (longe demais, diga-se de passagem), mas quando cheguei lá… o salão ainda não estava pronto! BÉÉÉÉÉ (imagina aquela campainha super alta)… a reforma estava atrasada!!!!

Quando cheguei, lembrei da frase de um cara (William Gibson) que eu acho foda: “The future is already here — it’s just not very evenly distributed.” (traduzindo…. “O futuro já está aqui – simplesmente não é distribuído de forma uniforme.”).

Essa frase me faz refletir que muito das coisas não serem bem estimadas, é porque as pessoas não pensam analiticamente e não são capazes de aprender com o que já aconteceu…

Responda-me uma pergunta: Quem, acima dos 30 anos, nunca ouviu que uma obra está atrasada?

Caraca, será que alguma consegue ser realizada sem atraso?

Se “o futuro” (como o William Gibson chama a parte de algorítmos) já é presente… porque os pedreiros não nos dão uma visão real do tempo de obra? Os problemas são os mesmos, sempre! Logo, tudo isso pode ser estimado por um algorítmo!

Imagine que incrivel poder criar um algorítmo, baseado em obras já realizadas, que estime o tempo REAL de execução da mesma?

“Como assim, Adriana Maria?”

Uai, se os pedreiros (ou a empresa que eles trabalham) pegassem dados de obras passadas e o tempo real de execução que foi necessário, podemos tentar modelar isso, para criar estimativas reais sobre o tempo da obra!

Penso em dados como: número de metros quadrados a serem reformados, tipo de reforma (os pedreiros devem ter as classificações deles certinhas – eles sentem o tipo de trabalho, Em uma conversa com eles, poderíamos ter muitos insumos para o modelo), número de tarefas, tipo de tarefas, número de operários, se tem compra de produtos, quais produtos, tempo de entrega dos mesmos… sei lá… poderíamos tentar criar milhões de variáveis e no final teríamos a variável resposta que será o número de dias para a realização da obra!

“Dri, será que esse é o melhor formato?”

Honestamente eu não sei, sem ter os dados (se é que eles existem) eu não consigo ter uma visão completa… mas creio que outros tipos de análises também podem ser desempenhadas.

O meu foco aqui, era mostrar que, novamente, estatística é vida e pode ser aplicada até no mundo dos pedreiros… pena que tudo isso ainda não é dristribuído de forma uniforme, como o próprio William Gibson descreveu…

Beijos, vou curtir minha peruca ajustada aqui! =]

Dri